terça-feira, 12 de julho de 2011

A Revolução de 89 (primeira parte)

[...]

Encaramo-nos profundamente: eu, com fúria; ele, com serenidade. O outro não erguia os olhos do chão. Os demais alunos começaram a chegar e todos paravam para falar com ele, sobretudo as meninas, que lhe ofereciam as bochechas rosadas para um beijo estalado. Depois, falavam comigo, mas não me ofereciam sequer um aperto de mão. Como eu tinha sido ingênuo! Acertar com um covarde como Alan os detalhes de um golpe contra seu líder! Àquela altura estava tudo esclarecido: Alan entregara o plano, ele se antecipara aos fatos e eu assistia ao seu triunfo.
— Ah, Jaquinho, quase esqueci. Esse vai ser meu último ano na escola. Então, eu continuo general e você, coronel. No próximo ano, será sua vez de assumir o comando.

[...]

Gostou? A primeira parte do meu conto A Revolução de 89 no blogue do CAIXA BAIXA. As outras duas partes serão publicadas, sucessivamente, nas datas das minhas próximas postagens lá na página do CB.

O trono... o cetro... o poder...

Nenhum comentário:

Postar um comentário