terça-feira, 13 de setembro de 2011

A Revolução de 89 - parte final


Jaquinho tentou o golpe, mas fracassou. Então, compreendeu que precisava ser mais sutil e disseminou idéias; entretanto, não tardou a descobrir que o sopro da revolução é indomável...

*

Quanto ao destino da revolução que eu planejara, os fatos desviaram-se das diretrizes traçadas. Se o movimento tivera um idealizador, ele terminou encontrando um líder não planejado. Enquanto a diretora ocupava-se de retirar o general deposto do pátio e levá-lo para casa, os professores pareciam mais curiosos para ver o desenlace daquele evento inusitado, que ansiosos por restaurar qualquer tipo de disciplina. Já eu, à espera do momento mais oportuno de entrar em cena, não percebi que a cena contara com outro oportunista desde o primeiro minuto.
— Amigos! Amigos! – bradei. Ouçam! Ouçam! Não precisamos mais de um general inútil! Mas isso não significa que não precisamos mais de um líder! Precisamos de um líder útil!
O silêncio se fez. Prossegui:
— Se o general desceu, que suba o novo general!
— E quem seria esse novo general?! – perguntou Gabinho.
— O coronel! – gritou uma voz não identificada, seguindo-lhe o clamor de todo o pátio:
— Viva o coronel! Viva o coronel! Agora o general! Agora o general!

 *

A parte final do meu conto A Revolução de 89 já está no blogue do CAIXA BAIXA. Para lê-la, clique aqui. Se ainda não conhece as duas primeiras partes, clique aqui e, em seguida, aqui.

*

4 comentários:

  1. Não sou muito de comentar em blogs, confesso. Acho que a minha timidez não me permite ou talvez sejam problemas de ordem de "crebilidade para aquilo que digo e que faço". Afirmo que é um problema/defeito que cabe tanto a mim quanto a você, tanto que não acredita que tenha fãs do seu blog. Fique certo meu irmão, embora eu seja uma das maiores torcedoras para o seu sucesso, não sou eu quem digito comentários anônimos nos seus posts. A minha timidez não me faria ocultar-me aqui ou tampouco não deixaria e nem perderia de oportunidade de elogiá-lo em meu nome se assim eu quisesse (prefiro falar só pra você).
    Gosto de visitar, divulgar e apreciar os seus arriscos, bem como há pessoas que apreciam tanto o seu trabalho quanto eu. Acredite nisso!
    Confie mais em você mesmo!!! Seu trabalho é maravilhoso, embora tenha alguns devaneios que nem eu mesmo entendo...rsrsrs
    Admiro demais você!
    Beijos da sua irmã chatinha.

    ResponderExcluir
  2. Valeu, Nathinha! Suas palavras são emocionantes.
    Eu sei que você torce por mim! Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Acompanho as palavras da Chatinha.Acredite mais em você. Goste mais de você. Valorize mais seu trabalho.
    Acredite na sua capacidade.

    A MÃE CHATINHA E PENTELHA.

    ResponderExcluir
  4. Dois votos para o relator!
    Alguma divergência? :)

    ResponderExcluir