domingo, 2 de outubro de 2011

Soneto para Isabel


Do amor, não sei tratar em prosa ou verso,
Em letra escrita ou verbo em viva voz,
Não sei tratar do amor que vive em nós,
Embora nele eu seja tão imerso.

Não sei tratar do amor porque – confesso –
Escrevo apenas quando estou a sós,
Sentindo arder na carne a dor atroz
Daquilo que não tenho quando peço.

Se ouço ao lado a voz e vejo o rosto,
Sentindo a pele amiga achar-se à minha,
E trago à boca o humor que lhe dá gosto,

Dispenso a tinta e a letra desta linha,
Querendo apenas ter comigo o posto
De rei, senhor e deus de tua vinha.


Esse e outros poemas, meus e de outros poetas, foram recitados anteontem no Sarau do Yázigi em Campina Grande. A noite foi boa demais. Agradecemos a todos que participaram e, desde já, prometemos outro encontro de música, literatura e... ops! É segredo. Quando? Fiquem aí no desejo que depois eu conto...

*

Imagem disponível aqui.

*

2 comentários:

  1. Que lindo! Adoro sonetos, queria eu estar em Campina e ter participado do Sarau. Parabéns por essa poesia linda Thiago! Sou Larissa Braga, fui sua aluna na UEPB.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Larissa! Participe do próximo, então. Você foi de uma turma noturna de Consumidor, não? Abraços!

    ResponderExcluir