sábado, 31 de dezembro de 2011

Anovelho

 
O poemeu anovelho, em sua versão mais atualizada, com votos de felicidade a todos os leitores do Arriscos...
 
Ano Velho! Ano Velho!
Eu não te invejo…

passas às pressas
mas não me deixas
uma só ruga

tu, entretanto
aos trezentos e sessenta e cinco dias de vida
morres decrépito
*
... em dois mil e todos os anos!
*

Nenhum comentário:

Postar um comentário