terça-feira, 17 de abril de 2012

Um soneto e um sarau


Meu Soneto inconsciente foi publicado no blogue do CAIXA BAIXA. Para ler o poema e outros textos de escritores brasileiros contemporâneos, clique aqui.


Soneto inconsciente

Meu peito exige um verso estreito e longo,
Tal como a estrada agreste a fim de achar-se
Ao mar, capaz de ao som final do gongo
Romper da mente o laço – em catarse.
Um verso amargo expresso ao fundo em borra,
Bebido a gole largo em goela acesa,
Por onde o travo ardido agora escorra
E deixe o rastro em fezes sob a mesa.
Um verso à luz raptado em preto e branco,
Igual à foto em negativo exposta
– Lembrança da latência de um arranco
Rasgando a carne inteira além da crosta.
          Um verso que lacere as mãos erguidas,
          Lambendo o sangue e o pus de suas feridas.

***

Por falar em CAIXA BAIXA, a atriz Suzy Lopes promoverá hoje à noite mais uma edição do Café em Verso e Prosa. O evento ocorrerá no Empório Café (por trás da feirinha de Tambaú em João Pessoa) a partir das 20h30 e contará com a participação do nosso núcleo literário. Prepare o corpo, vire a alma pelo avesso e compareça com seu verso!

***

Nos próximos dias, publicarei aqui a Crônica de uma viagem sentimental ao Rio de Janeiro do Império.


Imagem disponível aqui.

***

Nenhum comentário:

Postar um comentário