quinta-feira, 31 de maio de 2012

Os Clientes - novo trecho


A peça já está concluída e a procura pelos meios de colocá-la em cena, iniciada. Por enquanto, aos leitores do Arriscos, mais um trecho de minha comédia em ato único. (Para ler o primeiro trecho publicado, clique aqui).

*

(Os casais se cumprimentam efusivamente como velhos amigos, enquanto Selma se aproxima do corredor que conduz aos quartos e anuncia sua chegada.)

SELMA

Dona Vera! Dona Vera! (ninguém responde) Os convidado chegaro! Dona Ve... Ai! (Galeno aparece, assustando Selma) Doutô Galeno, (recompondo-se e retomando o tom de voz moderado) os convidado chegaro.

GALENO

Marconi! Adélia! (cumprimenta o primeiro casal) Tércio! Sabrina! (cumprimenta o segundo casal) Sejam bem vindos. Vera está...

VERA

Galeno! Galeno! Os convidados... (detém-se por um instante, demonstra surpresa e, enfim, prossegue com alívio) estão todos aqui. Marconi, querido! (cumprimenta-o) Adélia! Como sempre, a mais elegante! (troca beijos) Ao lado de Sabrina, é lógico! (apertando-a contra o peito) E você, Tércio, como vai? (estendendo a mão) Galeno, meu bem, você ainda não serviu nada aos nossos amigos?

GALENO

É o que farei agora. O que bebem?

O CASAL / OUTRO CASAL

Para mim, uísque! (pedem os homens, simultaneamente) Eu fico com o vinho (dizem as mulheres, concomitantemente)

VERA

E você, Selma, os petiscos! Vamos, Selma! Os petiscos! Galeno, querido, eu também quero vinho.

O CASAL / OUTRO CASAL

Então, nosso homem está atrasado. (afirma Marconi, conferindo o relógio) Isso não é um sinal de falta de compromisso? (indaga Adélia) Minha cara, o problema de todo candidato é o excesso de compromissos! (responde Tércio e todos riem) Mas, se for verdade o que dizem, será difícil arrancar do nosso homem os compromissos que desejamos... (sugere Sabrina)

VERA

Não se preocupe, querida. Se for verdade o que dizem, só precisaremos convencer nosso homem de que, assumindo compromissos conosco, ele terá mais dinheiro para a campanha e mais votos nas urnas. Assim, terá mais chances de ser eleito e – é bom que acredite nisso (ironicamente) – realizar o que tanto idealiza.

O CASAL / OUTRO CASAL

Mas aí está o risco: se ele realizar de fato o que idealiza, teremos problemas! (pondera Marconi) Idéias arrancam votos, mas não sustentam governos. Se ele quiser administrar a cidade, terá que assumir e honrar compromissos. (pontifica Adélia) Na proporção de cada investimento! E o nosso é considerável, não?! (acrescenta Tércio) Mesmo assim, estou insegura! O clamor por mudanças é grande. A pressão por transparência é cada vez maior... (insiste Sabrina)

VERA

É exatamente o que estamos aproveitando! Quem quer mudanças? Jovens, intelectuais... Quem faz pressão? Jornalistas... Isso cria uma atmosfera favorável ao candidato, cai bem como discurso de campanha e, eventualmente, faz ganhar a eleição. Acontece que jovens e jornalistas fazem barulho, mas não têm poder. Vamos deixá-los eleger Guto Piado! Vamos deixá-los pensar que mudaram alguma coisa! Vamos inclusive pagar a conta desse teatrinho patético! Quando chegar nossa hora, cobraremos o preço!

GALENO

Afinal, também somos o povo. (todos riem e recebem seus copos ou suas taças) Ergamos um brinde!

O CASAL / OUTRO CASAL

Ao contrato com nosso hospital! (propõe Marconi) Aos nossos cargos nas Secretarias! (acrescenta Adélia) Aos ideais! Os monetários, obviamente! (ironiza Tércio, roçando o polegar no indicador) Ao bem comum! (conclui Sabrina)

(Os seis brindam. Ouve-se o tilintar de taças e copos, enquanto Selma retorna à sala, trazendo a bandeja com petiscos.)

*

Imagem disponível aqui.

*

Nenhum comentário:

Postar um comentário