segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Galeria




— Quantos aí já passaram por você?
— Deixa ver. Uns cinco ou seis, acho.
— Sabe quantos eu já despachei? Vinte.
— Vixe! Que cinco ou seis, foram nove.
— Isso tudo? E eu vi você entrar ontem.
— Aquele lá foi o meu primeiro. Lembra?
— Como não? Peste. Que o diabo o tenha!
— E o diabo anda admitindo concorrente?

— Esses dois eram inimigos de casa, igreja e trabalho.
— Qual deles dizem por aí que só andava armado?
— O de cá. Punhal na bota e pistola no bolso do paletó.
— E chegou a sacar um dos dois contra alguém?
— Contra a própria mulher, mas era ruim de alvo.
— Meu deus! E foi processado? Cumpriu pena?
— Foi promovido. E passou a fazer aula de tiro.

— Olha ali, o pai de Laurinha, da SISO.
— Esse outro é tio de Evaldo, do 6º andar.
— O de bigode era avô de Telma e Dilma.
— E o carequinha foi amante de (voz inaudível).
— Você viu como ela tá um fiapo de gente?!
— Só pode. Já tinha idade quando entrei aqui em 90.
— E já tinha dormido com aquele da ponta. Também!

— Bom marido, pai exemplar, excelente professor. E justo.
— Conheci o capataz das terras dele pras bandas de Sobrado.
— Deve ter falado muito bem do patrão. Um santo daquele!
— Os bóias-frias que o capataz açoitava é que não falaram.

— Esse aqui era pau mandado do governador. Um tonto!
— E o de lá assinava portaria em conjunto com a mulher.
— Ah, conheço um que entrou aqui por obra e graça dela.
— E eu, uma que saiu por obra dele e desgraça das duas.

— Era bonito e vaidoso. Um galã de cinema.
— Morreu de câncer no reto.

— Olha quem vem ali.
— Veio procurar a si mesmo.
— Ninguém fala com ele.
— Diferente de quando tinha a caneta, né?
— Pudera! Mais prepotente que ele, nem eles juntos.
— Vou lá, dar uma palavrinha com o coitado.
— Lave as mãos e escove a língua depois.

— Esse aqui era apagadinho.
— Só abria a boca pra cumprimentar.
— Um zero a esquerda em competência.
— Mas era bem relacionado. É o que conta!

— Carrego aquele do topo em meu coração.
— E na CJ incorporada que pinga todo mês.
— Armaria! Ninguém mais pode ser grato?
— Eu seria se algum deles tivesse me favorecido.
— E depois vem falar de mim, que fiz por merecer.
— Também fiz contatos, mas cheguei nas vacas magras.

“Senhoras e senhores, peço um minuto da sua atenção para darmos início à cerimônia de aposição da fotografia do Excelentíssimo Senhor Desembargador Nilo Alves de Albuquerque na Galeria dos Ex-Presidentes deste Egrégio Tribunal. A Galeria dos Ex-Presidentes é um espaço dedicado à memória daqueles que contribuíram com seu trabalho e sua competência para o engrandecimento da instituição. Para abrir os trabalhos desta tarde, convido o Excelentíssimo Senhor Desembargador Atual-Presidente Manoel Soares Neto, que prestará as devidas honras ao homenageado.”

(Seguem palmas e pigarros, palavras arrastadas e bocejos arretados. Descerram o pano o fotografado e sua dama, servem o coquetel aos presentes e sorridentes. Desce o pano.)

*

Nenhum comentário:

Postar um comentário