sábado, 16 de julho de 2016

(anti)programa



eu também estou bem farto

do lirismo



                        que sai do ventre qual vômito

                        sem processo digestivo



                        que rima fezes com lâmina

                        mas não fere a própria entranha

                       

                        que se arma em placa metálica

                        sem cordas ou o que equivalha



eu desejo e quero agora

o lirismo

            que toma uns goles

                        de cachaça

            passeia trôpego

                        mas não ronca

            em quaisquer motes

                        sempre arrisca

            o som preciso

                        mas alonga

            do peito o grito

                        como magma

            descompassado

                        ou trompete

            de agudo mahler

                        que faz duo

co’a viola grave

            a caminho

e sem chegada

                        do lirismo



que venha à luz rasgando o próprio hímen

e aprenda engatinhando a pôr-se em pé


*

Nenhum comentário:

Postar um comentário